O tipo do bar e o comportamento das mulheres nestes estabelecimentos são associados a agressão.

As características ambientais de bares, bem como o comportamento das mulheres nestes locais, influenciam o risco de agressão sofrida, de acordo com um estudo realizado por pesquisadores da University at Buffalo's Research Institute on Addictions (RIA). O estudo mostrou que beber pesado,  ir e sair do bar com indivíduos pouco conhecidos para as mulheres e conversar com um maior número de indivíduos no ambiente de bar são comportamentos sociais associados com agressões ocorridas em bares. A atividade competitiva de jogar sinuca e atividades ilegais, que envolvem a venda de drogas ou a prostituição, em um bar também foram identificadas como associadas a um aumento do risco de agressão física grave.

Embora sublinhando que "as mulheres não são as culpadas por sua vitimização", Amy M. Buddie, Ph.D., autora principal do estudo, observou que "as mulheres que tendem a freqüentar certos tipos de bares e se envolver em certos tipos de comportamento enquanto estão nestes bares têm maior probabilidade de experimentar agressões que mulheres que não praticam determinados comportamentos". O estudo foi publicado no Journal of Interpersonal Violence em 2003.

Estudos têm mostrado que as mulheres são mais propensas a experimentar a agressão de estranhos em bares e de pessoas que elas conhecem em suas casas. Parks, outra autora do estudo, afirmou que as conclusões do estudo são consistentes com pesquisas anteriores que encontraram características dentro dos bares que favorecem a agressão nestes locais. Segundo ela, “os resultados irão auxiliar no desenvolvimento de educação e esforços de prevenção".

O estudo incluiu 198 mulheres com uma idade média de 29 anos que foram consideradas de alto risco para agressão em bares que frequentavam pelo menos uma vez por mês.  Elas relataram beber uma média de seis doses de álcool em uma típica noite em seu bar habitual.

A maioria das voluntárias relatou ir a seu bar habitual, com duas a quatro pessoas (62%), que normalmente eram amigos (71%), indo embora com um amigo (63%) e comprando suas próprias bebidas (63%).

A maioria dos bares oferecia pista de dança, mesa de bilhar, dardos e refeições.  Quase metade dos bares habituais foram descritos como tendo o uso aberto de drogas ilícitas e  com mais de um quarto deles  oferecendo tráfico de drogas e jogos de azar.

Referência bibliográfica: Buddie & Parks. The Role of the Bar Context and Social Behaviors on Women’s Risk for Aggression.  J Interpers Violence, 2003, 18(12):1378-1393.